-     -     hs
RSS youtube Twitter facebook    Ministério Cristo Reina  -  Transmitindo vida...

Usuário:

Senha:




Devocionais

  • A TEMPESTADE VAI PASSAR
    Alguns momentos desta vida, podem ser comparados a uma tempestade, com ventos fortes, enxurradas, raios, trovões, etc, e que nos causam muitas vezes medo, desconforto, e dificuldades. O melhor a fazer, é abrigar-se, por que, mais cedo...


  • JESUS, É O MELHOR PRESENTE...
    O povo que estava assentado em trevas viu uma grande luz; sim, aos que estavam assentados na região da sombra da morte, a estes a luz raiou. (Mateus 4. 16) Deus é misericordioso e ama o pecador, deseja a salvação da...


  • Uma aula sobre Reforma Prot...
    Em 1988, o professor Alexander Duncan Reily elaborou uma série de lições sobre História da Igreja para serem desenvolvidas nas classes de Escola Dominical. Aqui, trazemos a lição sobre a Reforma Protestante,...


  • SIGA A JESUS
    Deus está sempre de braços abertos para receber cada um de nós, existem pessoas que pensam que para entregar a vida para Jesus precisam primeiro largar isto ou aquilo, mas não é deste jeito que funciona. Precisa...


  • Porque precisamos nascer de...
    João 3: 3 - "Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino do Deus."Nicodemos era um "principal dos judeus"- ótimo religioso. Se um bom religioso tem de nascer de novo, significa...


  • DEUS OUVIU SUA ORAÇÃO
    Versículo:Os que semeiam em lágrimas, com cânticos de júbilo segarão. (Salmos 126:5).Meditação:Ficamos chocados e quase perdemos a esperança, diante de situações que nos roubam as...


  • O SENHOR ESTÁ CONTIGO
    Versículo:E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. (Mateus 28:20).Meditação:Todos nós passamos por lutas, Jesus ensina-nos:Tenho-vos dito estas coisas, para que...


  • JESUS QUER TE SALVAR
    Versículo:As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim. (Lamentações de Jeremias 3:22).Meditação:Deus em seu infinito amor, está sempre com suas...


  • Martin Luther King Jr…I h...
    Martin Luther King Jr…I have a dream!“É melhor tentar e falhar que ocupar-se em ver a vida passar… É melhor tentar, ainda que em vão, que nada fazer.Eu prefiro caminhar na chuva a, em dias tristes, me esconder...


  • NÃO TE DEIXES VENCER PELO MAL
    Não te deixes vencer pelo mal venças o mal com o bem (Romanos 12.21)Esta é a orientação que Deus nos faz através de sua Palavra, Deus nos ensina a orar pelos que nos perseguem (Mateus 5.44)Isso é...


  • NEM SEMPRE É POR MAL
    Versículos:-Não contendas com alguém, se não te tem feito o mal. (Provérbios 3:30).-E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim ser brando para com todos, apto para ensinar, paciente; (II...


  • É NECESSARIO ESQUECER
    Versículo:Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de...


  • PARÁBOLA DA ROSA
    Um dos maiores dons que uma pessoa pode possuir ou compartilhar é ser capaz de passar pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas. Esta é a característica do amor.Olhar uma pessoa e conhecer suas verdadeiras...


  • DONS MINISTERIAIS
    Os Dons MinisteriaisEf. 4:11-18              O Senhor Jesus, antes de subir ao Céu, confiou aos seus servos o cuidado e administração dos seus bens, a continuação da obra que Ele...


  • VITORIA É AGRADAR A DEUS
    Versículo:Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. (Provérbios 3:5).Meditação:Toda experiência adquirida, é proveitosa, porém cada novo acontecimento trás consigo detalhes que desconhecemos;...


  • RSS

    Estudos Bíblicos

    Enviado por Min Cristo Reina em 15/02/2015 17:20:00 (857 leituras)
    Nossa vida inteira deve ser estabelecida sobre o fundamento de uma comunhão pessoal, profunda e íntima com Deus. Uma ligação permanente, que não conhece barreiras. "Aquele que se une ao Senhor é um espírito com Ele" (1 Co. 6:17). Ao colocar em nós o Seu Espírito, Deus estava tornando possível uma comunhão constante conosco. Oração e comunhão não podem ser separadas Oração é Comunhão, e não meras palavras.

    Às vezes ouvimos a definição: "Orar é falar com Deus". Definição muito simplista. Podemos fala com alguém e isso não significar nada para nós. Falamos até com um desconhecido e logo nos esquecemos do fato. Nem todo o que comunga, conversa. Comunhão fala de ligação de amor, de afinidade, convivência, comunicação, diálogo... É assim que podemos dizer que oração é o encontro do Pai celeste com Seu filho, numa comunhão de amor.

    O Significado da Palavra
    A palavra "comunhão" (no grego, koinonia), significa "compartilhar", "coisas em comum". Manter comunhão com Deus, portanto, exige identificação com Ele, ter coisas em comum com Deus. Mas, como podemos ter coisas em comum com um Deus tão santo, maior que tudo quanto nossa mente possa imaginar?; Deus jamais se identificaria com nosso pecado, a fim de comungar conosco! Então Ele realizou um milagre maior que o da criação do homem: em Cristo, pelo seu Espírito, Deus recria nosso espírito morto e planta nele Sua semente, Sua natureza, Sua vida, e nos transforma em santuários onde, pelo Seu Espírito, Ele habita e mantém comunhão conosco (1 Pe. 1:23). Deus opera em nós o Novo Nascimento, que é a recriação do nosso espírito, pelo Espírito Santo, mediante o preço da redenção que Jesus pagou por nós na cruz do Calvário. Assim como a vida de Deus que estava em Adão foi morta pela semente do pecado que entrou em seu espírito, nós somos vivificados pela semente de Deus, que é a Sua Palavra, em nosso espírito (Ef. 2:1-6). A vida do pecado morre em nós e a vida de Deus passa a fluir.

    Pela recriação do nosso espírito (Novo nascimento) passamos a ter algo em comum com Deus: Sua vida em nós. E está vida é Jesus. Quando Ele entra em nosso coração, a vida entra. "E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e está vida está no Seu Filho. Aquele que tem o Filho tem a vida..." (1 Jo. 5:11,12). Está vida reside em nosso espírito. Porque Deus é o Espírito e nos faz semelhantes a Ele, podemos ter comunhão. Somos seres espirituais. A vida de Deus agora está em nós. E essa vida que entrou em nosso espírito é da mesma qualidade da que está nEle.

    Classificação: 10.00 (1 voto) - Classifique esta notícia
    Enviado por Min Cristo Reina em 08/10/2013 14:40:18 (1461 leituras)

    Em 1988, o professor Alexander Duncan Reily elaborou uma série de lições sobre História da Igreja para serem desenvolvidas nas classes de Escola Dominical. Aqui, trazemos a lição sobre a Reforma Protestante, para quem quiser conhecer, relembrar ou aprofundar o conhecimento sobre as bases do protestantismo:

    Há três coisas que devemos dizer bem no começo, à guisa de introdução.

    Primeira:
    A Reforma Protestante é um movimento de grandes proporções. Por falta de espaço, teremos que nos ater quase só à fase luterana do movimento, mas há a fase Reformada (de Zuínglio e Calvino), Radical (dos chamados "Anabatistas*", como os Menonitas), e a Reforma Inglesa.

    Mas a Reforma não se restringiu aos Protestantes: há um movimento paralelo dentro do Catolicismo Romano, parcialmente espontâneo (Reforma Católica) e parcialmente uma reação à Reforma Protestante (Contra-Reforma).

    Naturalmente, também, a Reforma não para no ano de 1600 (na verdade, muitos historiadores datam a Reforma de 1517 a 1648), mas ela, como uma nova expressão do Cristianismo, permanece viva até hoje.

    Segunda:
    Apesar de ser um movimento religioso mais do que qualquer outra coisa, o seu contexto a marcou profundamente. Muitos dos fatores já foram vistos nas três últimas lições.

    Novas cidades e a crescente influência dos comerciantes (burguesia) e o desassossego dos camponeses prenunciavam o fim do feudalismo*. Contribuiu para esse processo também o nacionalismo, com o enfraquecimento da nobreza e a centralização da autoridade nas mãos dos reis. Assim, nasceram fortes estados nacionais (como por exemplo, Inglaterra, França e Espanha) que resistiam às pretensões absolutistas do Papa.

    A Renascença* desperta o interesse no estudo das fontes, e a Bíblia é lida novamente nas línguas originais, enquanto o surgimento da imprensa facilita a multiplicação da Bíblia e de livros em geral. O crescente desencantamento com o papado, após 70 anos do "Cativeiro Babilônico" e 40 de cisma papal, leva os intelectuais como João Wiclif e João Hus a questionar a própria estrutura da Igreja e papado e alguns dos seus dogmas (como a transubstanciação) enquanto insistem nos direitos do povo de Deus, inclusive de pregar e receber a Santa Ceia completa (inclusive o vinho).

    Muitos, de índole mais contemplativa, simplesmente deixam de lado a Igreja institucional, buscando a união com Deus diretamente por meio de contemplação e purificação, sem se preocupar com hierarquia ou mesmo com o ritual da Igreja.

    Paralelamente, há um ressurgimento de religião popular em muitas formas, inclusive a dos flagelantes, os quais, num ascetismo* extremo, flagelam os seus corpos, assim criando quase um novo sistema litúrgico e sacramentai que escapa ao da Igreja Papal tão desacreditada.

    Todos estes — os intelectuais, os "pré-reformadores" como Wiclif e Hus, os místicos; os flagelantes — constituem vozes de protesto que diziam claramente: "A Igreja como está, dominada pela hierarquia, inteligível só à elite, não responde nem às nossas necessidades e nem às nossas aspirações. Queremos uma Igreja renovada, mais nos moldes de Cristo e seus apóstolos".

    A Terceira:

    A Reforma Protestante é mais um glorioso exemplo (e eu creio que seja o maior exemplo) da ação divina; mais uma vez Deus renova Sua Igreja. Infelizmente, no processo, houve ruptura.

    A Reforma
    Voltemos nossa atenção para tentarmos entender o que Martinho Lutero queria fazer.

    Há basicamente duas maneiras de ver a obra de Lutero: uma basicamente negativa (polêmica) e a outra basicamente positiva. A primeira tem sido mais usada e, penso eu, com prejuízo para nós e para o cristianismo. Podemos esboçar esta posição assim:
    a) Justificação só pela fé e não pelas obras;
    b) Só a Bíblia como regra de fé e prática, e não a tradição;
    c) O sacerdócio universal dos crentes, e não só da hierarquia.

    Ou como alguns preferem:
    - Fé X Obra;
    - Palavra de Deus X Palavra do homem;
    - Povo X Hierarquia.

    Reconhecemos que há alguma validade nessa abordagem, mas questionamos se é a maneira mais correta de ver a obra de Lutero e o seu significado para nós, hoje.

    Questionamos se realmente foi isto o que Lutero descobriu naqueles anos antes de 1517 quando buscava tão ardentemente, como Monge Agostiniano, "um Deus gracioso" (amante e perdoa dor) a ele.

    Creio que é inegável que a Reforma realmente ocorreu no coração de Martinho Lutero quando, depois da meditação, não apenas percebeu em Romanos 1.17 uma chave para atender toda a revelação de Deus na Bíblia, como também recebeu o próprio Cristo através da Palavra. Será uma deturpação desta experiência de Lutero concebê-la em termos polêmicos! É claro que Lutero e os outros Reformadores se dedicaram à tarefa de dizer com a maior clareza possível o sentido e as conseqüências desta redescoberta!

    1) É quase impossível evitar o termo "JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ" por causa da longa tradição. Podemos, pelo menos temporariamente, tentar ver o que está por baixo ou por trás destas palavras?

    No caso de Lutero, não é difícil. Ele, quase morto por um raio, prometeu tornar-se monge se Santa Ana o poupasse da morte. A vida monástica (em mosteiros) em si era vista como a maneira mais certeira de chegar aos céus. E nos anos que Lutero passou no mosteiro, ele fazia o máximo para agradar a Deus e ganhar a sua aprovação. Confissões intermináveis, sacrifícios (tentava dormir no inverno sem cobertor), obediência rigorosa a todas as exigências de sua ordem. Mas, depois de tudo, Deus parecia ainda lhe condenar. Não havia meios para agradar a Deus — Lutero chegou a odiá-lo!

    O que aconteceu para mudar isto? Na sua leitura da Bíblia, ele descobriu: "O justo viverá pela fé" (Rm 1.17). Mas o que é fé? Lutero descobriu que a fé que salva não é principalmente crer ou acreditar. Não é aceitar uma proposição intelectual. Crer é mais propriamente confiar. Confiar tem a ver com relacionamento! Cristo Jesus lhe chegou através da Sua Palavra e tornou-se não mais aquele juiz que lhe acusava e lhe lembrava as suas falhas e culpas. Pela Palavra, ele percebeu Jesus como seu Salvador. Daí, Deus não era realmente aquela figura distante, austera. Na face de Cristo, Lutero viu pela primeira vez o Deus gracioso que há tanto tempo procurava. Ele diz que era como que Deus lhe houvesse aberto as portas do próprio Paraíso, tão grande foi sua alegria!

    E o resultado de tudo isso? JUSTIFICAÇÃO. Mas, há uma palavra melhor: PERDÃO! Afinal não é uma transação legal ou legalista. Em Cristo, o ser humano, desorientado, alienado de Deus e do seu semelhante, descobre Deus, reconcilia-se com seu semelhante e com seu mundo, descobre direção e sentido na vida. Assim foi com Lutero.

    E tudo isso realmente é iniciativa de Deus! Como Lutero diria, SOLA GRATIA (só graça). Nem por esforço e nem por merecimento do ser humano, mas pela bondade do "Deus Gracioso."

    Quando Lutero fala de Justificação pela fé, então, ele não está, em primeira instância, armando uma polêmica contra os "romanistas". Pois tudo isto que acabamos de descrever, conhecida como sua "Experiência na Torre", ocorreu quando ele era monge e fiel aderente à Igreja Católica Romana! Ele está nos convidando para confiar nossa própria vida nas mãos de Cristo para experimentar o perdão dos nossos pecados e conhecer a liberdade em Cristo — e livres de culpa e do egoísmo, realmente livres para servir a Deus através do serviço ao próximo.

    2) SOLA SCRIPTURA — Escritura contra tradição? Sim, mas há muito mais! Lutero é apenas um dos muitos que, mediante a leitura (ou o ouvir) da Palavra, Deus o alcança. Assim foi com Agostinho, no jardim de Milão. A voz de uma criança lhe chegou dizendo: "Toma e lê..." — ele pegou no livro de Romanos e leu novamente (Rm 1313-14) e Deus lhe veio através da Palavra. João Wesley, o fundador do movimento metodista na Inglaterra do século XVIIII, também teria sua experiência enquanto alguém lia do prefácio à Epístola aos Romanos (escrito por Lutero). Afinal, Paulo havia escrito: "a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus" (Rm 10.17). Para Lutero, Cristo nos vem através da Sua Palavra. Não devemos procurá-Lo onde ele não nos prometeu nos encontrar.

    Mas para Lutero, "Palavra" e "Bíblia" não são exatamente a mesma coisa. "Palavra", para Lutero, é sempre Cristo. Portanto, a Bíblia não é tanto lei, como o é para muitos. Mas, através das suas páginas, Cristo nos chega, nos instrui, nos orienta, nos mostra quem somos. A Bíblia é como um espelho, para nos revelar realmente quem somos — não necessariamente aquele bom homem ou bondosa mulher, mas muitas vezes aquele homem egoísta, aquela mulher orgulhosa, aquele jovem acomodado!

    Por nos trazer Cristo e sua revelação, é também "a única regra de fé e prática". Mas para Lutero e para nós, Metodistas, isto nunca significou rejeitar o Credo Apostólico (que não é da Bíblia) e nem desprezar as formulações dos Primeiros Concílios Ecumênicos (conclaves "católicos") e suas decisões sobre Deus (Trindade) e Jesus (Encarnação, Cristologia).

    A Sola Scriptura, de Lutero, é um desafio constante ao cristão de reexaminar hoje a Palavra para ver o que o Espírito diz à Igreja. Não basta saber o que disse a Lutero e mesmo a João Wesley, por mais importante que seja. O desafio é discernir o que Cristo diz a seu povo em nosso dia!

    3) O Sacerdócio Universal dos Cristãos. Muitos entendem isto no sentido de: "Eu posso orar a Deus e confessar meus pecados diretamente. Não preciso de nenhum intermediário". Mas a doutrina* é muito mais profunda que isso. Realmente, é uma nova visão da Igreja! Wiclíf e Hus, antes da Reforma, totalmente desencantados com a Igreja hierárquica e papal naquele tempo, ensinavam que a Igreja é o conjunto dos predestinados.

    Não creio que devemos enfatizar os predestinados — a Igreja para os pré-reformadores era o POVO e não a HIERARQUIA (ou simplesmente, como alguns pensavam, o Papa). Lutero retoma a mesma idéia.

    O Credo fala da Comunhão dos Santos; para Lutero, isto era uma definição de Igreja! Igreja é povo, não hierarquia. Quando Lutero percebeu isto, muitas coisas começaram a se mudar.

    Então, o POVO é importante no culto; tem que participar ativamente. Daí, tem que entender o que se passa, no seu próprio idioma. E Lutero traduz-lhes a Bíblia em alemão. O povo tem que louvar a Deus em cânticos, e não só o coro! E Lutero compõe hinos congregacionais apropriados ao espírito da Reforma. O culto passa a ser essencialmente o Culto da Palavra.

    Uma vez que a Igreja não é hierarquia, Lutero nem estabelece uma nova hierarquia. Para ele, a Igreja é essencialmente o povo, "a Comunhão dos Santos"; por isso, a questão de ordens passa a ser coisa secundária. Há igrejas luteranas com bispos, outras sem — pois a Igreja não é hierarquia, e sim povo!

    Talvez o maior desafio da Reforma para nós hoje seja o de tornar mais concreto em cada igreja local de nossa denominação o sentido de cada crente — homem, mulher, jovem, criança — ser um sacerdote ou sacerdotisa do Deus Vivo!

    Para Refletir e aprofundar o assunto
    Dividir a classe ou grupo em três grupos menores.

    GRUPO 1 - 
    O grupo 1 examina o estudo e comenta o seguinte de acordo com os pontos levantados:
    "Parece-nos que Lutero quis dizer o seguinte com a expressão "JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ"
    Resposta:


    GRUPO 2 
    O grupo 2 examina o estudo e comenta o seguinte de acordo com os pontos levantados:
    "Parece-nos que Lutero quis dizer o seguinte com a frase SOLA SCRIPTURA" 
    Resposta:


    GRUPO 3 
    O grupo 3 examina o estudo e comenta o seguinte de acordo com os pontos levantados:
    "Parece-nos que Lutero pensava assim em torno do SACERDÓCIO UNIVERSAL DOS CRISTÃOS"
    Resposta:

    PARA FECHAR A REFLEXÃO:
    1 - Compartilhar os pensamentos essenciais com o grupão.

    2 - Perguntas gerais para o grupão pensar e aprofundar mais através da discussão das perguntas a mais:

    a) É comum ver pessoas hoje com sérios problemas de sentimento de culpa. Que diz a doutrina da JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ que possa ministrar a taispessoas?

    b) O grupo percebe a diferença entre um simples acreditar e CONFIAR?

    c) Por que é importante reconhecer que nossa justificação vem por iniciativa de Deus e é resultado da sua graça?

    d) SOLA SCRIPTURA significa que a gente só deve ler a Bíblia e nenhum outro livro?

    e) O SACERDÓCIO UNIVERSAL DOS CRISTÃOS significa que não deve haver ordenação de ministros ou estudos ou preparação teológico para exercer o pastorado?

    f) Qual o relacionamento entre os Dons e Ministérios e a idéia do SACERDÓCIO UNIVERSAL DOS CRISTÃOS?

    g) Sua congregação local é clericalizada (onde só o pastor decide tudo, e faz tudo) ou viive a realidade do SACERDÓCIO UNIVERSAL DOS CRISTÃOS?

    ______________________________________________________________
    OBS: Lição extraída da página 64 da revista "História da Igreja", correspondendo a lição de nº 14 de um total de 17 (http://www.metodistavilaisabel.org.br ... cacoes/descricao.asp?n=37).

    "A História da Igreja" é uma revista escrita em 1988 pelo saudoso pastor e historiador metodista Duncan Alexander Reily e estudada na Escola Dominical das Igrejas Metodistas de todo o Brasil. Narra de modo sucinto e claro a história do cristianismo, desde aquele primeiro Pentecostes com a descida do Espírito Santo sobre os seguidores de Jesus até a chegada do Metodismo no Brasil. Fala dos grandes Concílios Ecumênicos, das Cruzadas, da Reforma Protestante. Ajuda-nos a compreender quem somos nós.

    Fonte: Site da Igreja Metodista em Vila Isabel, RJ


    Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia
    Enviado por Min Cristo Reina em 13/09/2013 09:20:00 (1400 leituras)

    João 3: 3 - "Respondeu-lhe Jesus: Em verdade, em verdade te digo que se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino do Deus."

    Nicodemos era um "principal dos judeus"- ótimo religioso. Se um bom religioso tem de nascer de novo, significa que todos têm de nascer de novo.

    Romanos 3: 23 - "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus."

    Vamos deixar que o Senhor Jesus explique:

    Ele estava falando de algo espiritual e não físico. Se não houver um nascimento espiritual não há possibilidade de vida espiritual.

    João 3: 5,7 - "Jesus respondeu: Em verdade, em verdade, te digo que se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.

    Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo."

    Jesus então usou o exemplo do vento para ilustrar:

    João 3: 8 - "O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito."

    João 3: 16 - "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna."

    Deus amou, Deus deu o Seu Filho - se cremos, não precisamos perecer, podemos ter vida eterna. Foi para isto que Jesus veio ao mundo. Satanás, como as serpentes abrasadoras, foi a causa de todos nós sermos infectados pelo seu veneno que se chama pecado. O pecado faz com que todos morram tanto espiritual como fisicamente.

    Olhando para Jesus e crendo que Ele morreu por nossos pecados, aceitando o Seu perdão, podemos receber cura e vida eterna para nossas almas.

    João 3: 17, 21 - "Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

    E o julgamento é este: A luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas que a luz, porque as suas obras eram más. Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.

    Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que seja manifesto que as suas obras são feitas em Deus."


    A - Como o pecado entrou

    Como e quando fomos picados e infectados com o pecado por esta serpente- o diabo? A Bíblia diz que:

    Romanos 5: 12 - "Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram."

    Romanos 5: 17,21 - "Porque se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só Jesus Cristo. Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida.

    Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos pecadores, assim também pela obediência de um muitos serão constituídos justos.

    Sobreveio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça; para que, assim como o pecado veio a reinar na morte, assim também viesse a reinar a graça pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor."

    O primeiro ato de desobediência aconteceu no Jardim do Éden. Pecado érebelião ou desobediência. É não crer em Deus. Deus disse para Adão e Eva não comerem da árvore que estava no meio do jardim ou eles morreriam. Satanás veio e disse: "Certamente não morrereis, mas sereis como Deus".

    Gn 3: 3,5 - "Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais. Disse a serpente a mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal."

    Eva decidiu crer em satanás e comeu, esperando se tornar "deus".

    Vendo sua condição decaída, Adão escolheu se identificar com ela e assim trouxe todas as gerações, que estavam em seus lombos, para o pecado. Por isso nos referimos ao homem como tendo "a natureza pecaminosa adâmica". Todos nós, portanto, nascemos em pecado e temos a natureza original do pecado. Mesmo que nunca tenhamos cometido um pecado pessoal, nascemos com a natureza pecaminosa. Por isso, temos de nascer de novo, do Espírito para entrarmos no reino de Deus.

    O homem foi criado espírito - alma - corpo.

    No terreno da alma existem: mente, emoções, vontade.

    A mente é a sede da alma.

    Deus também deu os 5 sentidos ao homem para ele se comunicar com o mundo físico.

    Satanás usou estes 5 sentidos ( ouvir/ ver/ cheirar / provar / tocar ) para se comunicar com a mente de Eva.

    Ele disse:

    "Certamente não morrereis" - ouvir

    "Vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer" - ver

    "Tomou do seu fruto " - tocar

    "Comeu" - cheirar / provar

    Tendo entrado em sua mente, suas emoções foram afetadas e a vontade foi movida a aprovar o ato de descrença e desobediência a Deus, isto é, apecar.

    Este ato levou a humanidade ao pecado porque todos nós estávamos em Adão quando ele pecou.

    O mundo e seu sistema educacional negam o pecado original: mas Deus diz:

    I João 1: 8 - "Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamos-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós."

    Romanos 3: 23 - "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus".

    Olhe para uma criança, sendo seus pais incrédulos ou nascidos de novo e cheios do Espírito. Aquela criança faz birra, ma criação, atira e quebra coisas e insiste em seus direitos de ter acessos de raiva e ser destrutiva! Quem lhe ensinou estas coisas? Elas vêm com a natureza pecaminosa. 

    B - Convicção de pecado

    O Espírito Santo é o agente de Deus na terra para lidar com o espírito do homem.

    Ele vem à mente do homem através dos sentidos. O homem ouve (ouvir) a Palavra de Deus, sente o peso do pecado e então grita: "Senhor, tira este peso."

    O Espírito de Deus toca a sua emoção, ele sente pesar, convicção de estar errado e então, rende a sua vontade ao Senhor dizendo: "Senhor Jesus, entra em minha vida". Quando sinceramente pedimos isto, Ele vem habitar em nós.

    Quando Jesus vem para nossa vida e experimentamos a alegria da salvação, tudo muda! Até a expressão do nosso rosto, e queremos gritar: "Quem é Deus semelhante a Ti, que perdoas a iniqüidade”

    Mq 7: 18 - "Quem é Deus semelhante a ti, que perdoas a iniqüidade, e que te esqueces da transgressão do resto da tua herança? O Senhor não retém a sua ira para sempre, porque ele se deleita na benignidade."

    É a alegria de ser bem vindo à casa do Pai e não ter mais passado do qual prestar contas.

    A convicção de pecado vem quando se percebe quão fora e sem recursos estamos. Na história do "filho pródigo", enquanto ele estava se sentindo bem, com dinheiro e comida não se convenceu de que estava errado. Mas quando se sentiu depravado, sem auto-respeito, sem dinheiro, comida e roupa,sem nada a não ser um fio de esperança de que seu pai lhe pudesse arrumar um emprego... naquele momento ele se voltou par o Pai com arrependimento no coração.

    A convicção de pecado traz o arrependimento.

    Este é o maior problema do homem para buscar a Deus como Salvador. Ele mede o seu estado e condição por outros homens e não pelos padrões de Deus. Sempre podemos achar alguém pior que nós, e por isso não nos convencemos que estamos errados.

    Isaías não era um homem mau e pecador, mas quando ele contemplou a Deus ele gritou:

    "Ai de mim! Pois estou perdido, porque sou homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos".

    A descrição que Deus faz do homem em seu estado pecaminoso está em:

    Romanos 3: 10,11 - "Como está escrito: Não há justo, nem sequer um. Não há quem entenda; não há quem busque a Deus."

    E as obras decorrentes de sua vida estão descritas em:

    Gálatas 5: 19,21 - "Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são : a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus. "

    Este é o homem que não nasceu de novo. Está morto espiritualmente, e não pode produzir o fruto do Espírito Santo.

    Efésios 2: 1 - "Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados."

    A Palavra de Deus diz que o homem que não nasceu de novo está perdido e sem esperança nele mesmo. A única esperança de salvação é. JESUS CRISTO

    C - Arrependimento

    O que é arrependimento? Como se arrepende?

    Arrepender é fazer uma vira-volta total na vida. É fazer como o "filho-pródigo" que antes buscava os prazeres errados, as companhias erradas, os objetivos errados e depois se virou e buscou a reconciliação e a restauração. Ele se entristeceu por causa de seu pecado.

    Lucas 15: 21 - "Disse-lhe o filho: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. "

    Arrependimento encarna a verdadeira dor de Deus pelo pecado cometido.

    Aquele que se arrepende fica triste, de fato, por esta página de sua vida que se sujou, e então, suplica por outra página, determinado a não sujar esta nova. Somente o ESPÍRITO SANTO pode produzir a genuína dor de Deus pelo pecado, o tipo de tristeza que detém a pessoa de repetir o pecado.

    O verdadeiro arrependimento traz a segurança de pecados perdoados.

    Se alguém acha o arrependimento difícil e não tem espontaneidade, é necessário um auto-exame. Pode haver orgulho que causa a recusa à submissão à cruz. Pode haver auto-justiça ou auto-justificação se a pessoa não crucificou o seu "eu", e ela precisa se apresentar diante do altar como sacrifício vivo.

    Romanos 12: 1 - "Rogo-vos pois irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. "

    Deus doa arrependimento a todo homem, e este talvez seja o maior dom da graça.

    Se alguém pensa que o arrependimento é uma ofensa é porque está em conflito com o orgulho humano. O arrependimento atinge a própria raiz do orgulho. É o machado que corta as suas raízes.

    Arrependimento é muito mais que remorso e muito mais que sentir pesar. Pode-se ficar pesaroso por ter sido pego mentindo, mas não é suficiente para se parar de mentir. É o caso típico de Judas.

    Arrependimento é mais do que convicção. Felix estava tão convencido que tremeu diante de Paulo, mas não deixou o seu pecado.

    At 24: 24,25 - " Alguns dias depois, vindo Félix com sua mulher Drusila, que era judia, mandou chamar a Paulo, e ouviu-o acerca da fé em Cristo Jesus. E discorrendo ele sobre a justiça, o domínio próprio e o juízo vindouro, Félix ficou atemorizado e respondeu: Por ora vai-te, e quando tiver ocasião favorável, eu te chamarei."

    Há muita gente nas igrejas com seus nomes no rol de membros mas que nunca se arrepende. O tipo de pregação que ouvem não produz arrependimento. O Espírito Santo não pode usar o conteúdo destas pregações para produzir convicção genuína que leva ao arrependimento genuíno.

    Jesus pregou o arrependimento e a remissão de pecados.

    Lucas 24: 46,47 - "E disse-lhes: Assim está escrito que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressurgisse dentre os mortos; e que em seu nome se pregasse o arrependimento para remissão dos pecados, a todas as nações, começando por Jerusalém."

    Arrependimento não é remissão de pecados ou salvação. Não podemos entrar no bom lugar de habitação de Deus sem a chave do arrependimento. O verdadeiro arrependimento é a chave de entrada. Deus está dizendo: "Eu não posso fazer nada dentro do seu templo, seu coração enquanto você não se arrepender". Esta é a chave usada para entrar no templo terrestre. Não é salvação, pois salvação é uma obra de Deus. Eu preciso me arrepender e na base do meu arrependimento, Ele pode entrar e efetuar a cura. Quando eu me arrependo, virando as costas para o pecado, eu também me viro para Ele expiar meus pecados.

    Jesus definiu o arrependimento na parábola dos 2 filhos. O primeiro disse que não trabalharia na vinha, mas arrependeu-se, mudou sua mente e foi. É uma mudança total de ação.

    Mateus 21: 28,30 - "Mas que vos parece? Um homem tinha dois filhos, e, chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai trabalhar hoje na vinha. Ele respondeu: Sim, senhor; mas não foi. Chegando-se, então, ao segundo, falou-lhe de igual modo; respondeu-lhe este; Não quero; mas depois, arrependendo-se, foi."

    Alguém comete pecado: atos de desobediência, pratica as obras da carne, mas se arrepende e cessa de fazer o que estava fazendo antes. Isto não lhe dá salvação, mas o traz para a salvação.

    II Co 7: 10 - "Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, o qual não traz pesar; mas a tristeza do mundo opera a morte."

    D - O que é salvação?

    Salvação é uma palavra que inclui tudo. É graça/ substituição/ regeneração/ redenção/ propiciação/ reconciliação, e muito mais. Podemos simplesmente dizer que significa "estar salvo".

    Você precisa perceber que está perdido antes de poder ser salvo.

    Salvação é uma palavra da Bíblia.

    Tito 2: 11 - "Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens".

    Salvação realmente significa recuperar algo que estava perdido ou em processo de se perder. Jesus "veio buscar e salvar o que estava perdido". Isto é ser Salvador. Todas aquelas palavras que usamos no início, descrevem os diferentes aspectos da salvação.

    Se eu resgato alguém que estava se afogando, ou guio alguém que estava perdido, eu me torno o seu salvador. Já vimos que todos pecaram, portanto, todos estão perdidos e, todos precisam ser salvos.

    O homem pode recusar-se a ser salvo de seu pecado e perecer. Mas Deus não quer que ninguém pereça e providenciou a salvação para qualquer que queira. Quando alguém se arrepende e Cristo o resgata, isto é salvação.

    Nós não podemos nos salvar. Podemos nos arrepender, clamar, estender a mão, mas precisamos de um SALVADOR para nos salvar. Há somente UM que pode nos salvar do pecado e este é JESUS CRISTO. Quando somos salvos, nos tornamos nascidos de novo. Nos tornamos uma nova criação em Cristo. "Pelo que se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram, eis que tudo se fez novo".

    Neste sentido, a salvação é uma obra instantânea.

    Ninguém se torna nova criatura tirando gradualmente velhos hábitos ou virando uma nova folha ou praticando atos de reforma. Não é reforma, é transformação.O novo nascimento é um nascimento. Ninguém nasce de um processo de anos. Há uma data envolvida.

    Vamos nos lembrar que Deus não tem netos. Todos devem ser um filho nascido de Deus.

    E - E O QUE DEVO FAZER PARA SER SALVO?

    É uma questão de fé e confissão

    Romanos 10: 9 - "Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.

    Já vimos em João 3, que Jesus claramente explicou para Nicodemos o caminho para a salvação. É uma questão de crer que Jesus Se tornou pecado por nós na cruz, Ele levou nossos pecados e nossas iniqüidades. Se crermos nisto e que Deus O ressuscitou dentre os mortos para nossa justificação, podemos, pela fé, nos lançar em Sua misericórdia sabendo que Ele pode nos perdoar e nos perdoará de todas as nossas iniqüidades.

    O carcereiro de At. 16 perguntou: "Que me é necessário fazer para me salvar? A resposta foi: "Crê no Senhor Jesus e serás salvo". Significa crer que Jesus é o Messias. Aquele que veio para destruir as obras do diabo. Aquele que veio para quebrar as cadeias do cativeiro e libertar os cativos. Aquele que veio salvar o Seu povo dos seus pecados.

    Crer, é ter fé, é algo prático, é nos lançarmos nEle.

    A filha de um pregador que morava numa fazenda lhe pediu que explicasse o que era fé. Ele desceu do sótão, onde estavam, removeu a escada e mandou que ela descesse. "Não tem escada", ela disse. "Pule", disse o pai. "Eu não estou vendo você ", gritou a menina. "Mas eu vejo você, pule, meus braços estão estendidos", o pai respondeu. Ela pulou e ele a pegou. "Isto é fé em seu pai", disse ele.

    Para alguns, fé é "um salto no escuro", na verdade, porém, é um salto para a luz. Entregue a você mesmo, seu pecado, seu futuro, tudo que é seu a Jesus. Deixe que Ele segure você com segurança em Seus braços de amor, pois ali está o único lugar seguro. Ali você acha perdão e acima de tudo, amor. O amor que O fez sofrer tanto, derramar o Seu sangue morrendo por nós.

    O Espírito Santo está aqui para te introduzir ao Senhor Jesus, o único nos céus e na terra, que pode salvar você. Repita alto, se você nunca o fez:

    "Querido Deus, venho a Ti no Nome de Jesus Cristo, Seu querido e Precioso Filho, e, agora, a minha única esperança e Salvador.

    "Eu confesso que sou pecador. Nasci em pecado e pequei pessoalmente. Perdoa-me os pecados, pois agora entendi que pequei contra Ti, Deus. Perdoa-me.

    Peço que o precioso sangue de Jesus me limpe e remova todo o meu pecado. Eu olho para Ti, Jesus, e compreendo que o Senhor foi levantado na cruz fazendo-se pecado em meu lugar e levando todo o meu pecado, e tudo que tenho de fazer é crer, aceitar o Seu perdão e ser curado."

    "Oh, Jesus, eu creio, eu aceito a Tua purificação e perdão. Recebo a vida eterna. Obrigado, Pai por Jesus . Obrigado por nos amar tanto, quando ainda éramos pecadores, a ponto de nos dar o Seu Filho. Obrigado Jesus, por dar a Sua vida na cruz, por levar o meu pecado. O Senhor mostrou o Seu amor por mim, e agora eu peço que o Senhor me receba como aquele pai recebeu o filho pródigo."

    "Eu lhe entrego minhas vestes sujas de auto-justificação e recebo as vestes imaculadas da justiça de Cristo. Eu confesso, agora, que Jesus Cristo é SENHOR ABSOLUTO DA MINHA VIDA."

    "'Também quero declarar a satanás e a todo seu reino de trevas que não tenho mais nada a ver com ele. O meu amor e a minha lealdade são exclusivamente do Senhor Jesus Cristo e do seu reino. Eu comando, em Nome do Senhor Jesus Cristo, que satanás se afaste, saia da minha vida, dos meus pensamentos, das minhas afeições, de tudo que sou e tenho. Sais agora, em Nome de Jesus Cristo! "

    "Senhor Jesus, obrigado pelo Teu poder de paralisar e tirar satanás da minha vida. Eu me submeto a Ti, Jesus. Toma conta do meu espírito, alma e corpo. Obrigado Jesus, pois me sinto perdoado. Sinto o Teu amor e a Tua paz e sei que nasci de novo."

    "Eu creio, e quem crê nEle não é julgado..." (João 3: 18). Estou perdoado, tenho a vida eterna, sou filho de Deus."

    "Espírito Santo, obrigado por me convencer do pecado. Obrigado por me dar a segurança de que hoje o meu nome está escrito no céu, no livro da vida do Cordeiro. Espírito Santo, Tu sabes que como um recém-nascido em Cristo, eu necessito de alimento, amor, cuidado e tantas outras coisas para o meu crescimento e amadurecimento."

    "Eu Te agradeço por saber que a Tua Palavra diz que o Senhor nunca me deixará nem me abandonará. Me ajude e me guie, agora, para que eu entenda a Bíblia que é a carta de amor do Pai para mim.Dirija-me a cristãos maduros que me ajudarão a entender as coisas mais profundas de Deus. Leve-me a um pastor que compreenda as minhas necessidades, me ame e cuide da minha alma. Livra-me de enganos e de enganadores. Não deixe que eu caia nas armadilhas do inimigo, mas que eu cresça rapidamente para chegar à estatura de Jesus Cristo, para andar como Ele andou, vencer como Ele venceu e ensinar e fazer as obras de Cristo. Amém. "

    Leia: Atos 2: 21 / II Pedro 3: 9 / Efésios 2: 8 / Isaías 43: 25 /

    João 3: 18 / I João 1: 9 / João 5: 24 / Romanos 8: 1 e 34.

    "Que o Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o Seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; o Senhor levante sobre ti o Seu rosto e te dê a paz." 


    Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia
    Enviado por Min Cristo Reina em 29/08/2013 03:40:00 (1158 leituras)
    Estudos

    Os Dons Ministeriais

    Ef. 4:11-18

                  O Senhor Jesus, antes de subir ao Céu, confiou aos seus servos o cuidado e administração dos seus bens, a continuação da obra que Ele começou a fazer: Ensinar, pregar a Palavra, libertar os cativos, curar os enfermos, expulsar os demônios para que as vidas que Deus ama sejam salvas e cuidadas pela  Igreja.

     

                   É isto um grande privilégio, uma grande honra, e aos seus servos, cumpre nunca esquecer que, para tanto, homem nenhum será capaz, se por Deus não for chamado e habilitado.

     

                  Em I Co. 12:4 -11; Ef. 4:11 diz a respeito dos dons espirituais e dons ministeriais, sendo que Jesus Cristo concede os ministérios e o Espírito Santo distribui os dons, que tem a finalidade de capacitar estes ministérios.

                Efésios 4:7-14 Diz que Jesus deu dons a igreja." Mas a cada um de nós foi dada a medida conforme o dom de Cristo."

                   

    Por isso foi dito: Subindo ao alto levou cativo ao cativeiro, e deu dons aos homens.

                   

    Esta palavra aqui não é carisma, é uma palavra que se refere mais ao caráter do dom, do que o dom em si,  Jesus deu dons a igreja, aqui a palavra dons, não é a mesma de 1 Coríntios 12, que fala dos dons do Espírito Santo  

    ( carisma ). Aqui fala do dom que é dado em forma de ministérios aos homens, mulheres, pessoas. Os ofícios fala de pessoas,  Ele deu pessoas a igreja, esses dons aqui são em forma de pessoas com ofícios ou ministérios. 

    (A palavra carisma se refere aos dons espirituais, que são uma capacitação sobrenatural dada pelo Espírito Santo para exercer o ministério).

     

                Estes ministérios ou ofícios são: Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres. Segundo este texto o Senhor Jesus deu estes ministérios com a finalidade de aperfeiçoar e edificar os santos, para que o serviço no reino do Senhor fosse desempenhado por pessoas chamadas e capacitadas, todos exercendo o seu ministério de acordo com que recebeu do Senhor.

     

    Vejamos cada um deles:

     

    1º) Apóstolo: Este vocábulo pode ser encontrado 79 vezes no novo testamento, literalmente, significa enviado. ( do grego, enviado, mensageiro, embaixador ),

               

    A princípio era considerado apóstolo somente aquele que pertencia ao grupo dos doze, mais tarde, com o desenvolvimento da igreja vemos Paulo defender, diante dos gálatas, sua autoridade apostólica. Em suas cartas, ele  se identifica como: “Paulo, apóstolo de nosso Senhor Jesus Cristo.”

                Sendo um dom Ministerial, segundo lemos em Efésios 4:8. Sabemos com segurança que os apóstolos jamais estiveram ausentes da igreja, embora não mais receberam o mesmo título, continuam a realizar o mesmo trabalho daqueles que espalharam, de Jerusalém, a mensagem de Cristo. Missionários, ou apóstolos, enviados por Jesus continuam ativos na expansão do reino de Deus.

     

                Ä O título é usado para Cristo ( Hebreus 3:1 ).

                Ä Os doze discípulos escolhidos por Jesus ( Mateus 10:2 ).

                Ä O apóstolo Paulo (Romanos 1:1; 2 Coríntios 1:1; Gálatas 1:1) e outros (Atos 14:4,14; Romanos 16:7; Gálatas 1:19; 1 Tessalonicenses 2:6,7).

     

    Há uma característica no termo “Apóstolo” que é dada somente aqueles que estabeleceram a igreja, tinham autoridade total na igreja, no tocante à revelação divina da mensagem original do evangelho, como ninguém mais até hoje, isto é eles foram instrumentos do Espírito Santo, para revelação da palavra escrita. Ef. 2:20; 3:5; Ap. 2:2...

     

                No dicionário Larousse Cultural da língua portuguesa diz que Apóstolo são:

     1. ...os doze discípulos como os primeiros mensageiros do  evangelho chamados por uma vocação...

    2. Nome daqueles que pela primeira vez pregaram o evangelho em uma cidade ou país.

    3. Aquele que se dedica à propagação e defesa de uma doutrina.

    4. Pregador, missionário.

     

    Apostolado:

    1. Missão de um Apóstolo ou dos apóstolos

    2. Atividade visando a difusão da fé cristã

     

    Apostolar: adj. Edificante próprio de um apóstolo

    Apostolar: Vt. (Verbo transitivo)  pregar como apóstolo; ensinar publicamente.

     

    Pequena Enciclopédia Bíblica. Por Orlando Boyer.

    Apóstolo: embaixador, mensageiro, enviado extraordinariamente, pessoa que representa a pessoa que manda.

     

    Está relacionado a administração, implantação, fundação de igrejas e que tem autoridade para dar cobertura. A Igreja dos nossos dias não pode deixar de lado o ministério do apóstolo, pois isto trará uma grande influência para o crescimento do reino de Deus, implantação de Igrejas, e divulgação do evangelho.

     

    2º Profeta: "Proclamador de verdades inspiradas", Significa também "aquele que fala a outrem da parte de alguém" A finalidade do profeta na Igreja não é para acrescentar.

     

    Do dicionário teológico. Profeta: ( Do Hebraico nabi, do Grego prophetes ) O que fala por Deus ou em lugar de Deus. É o porta-voz da divindade, cuja missão é preservar o conhecimento e a vontade do Único e verdadeiro Deus.

                Você pode profetizar, mas isso não o torna um profeta. Todo profeta profetiza, mas nem todo que profetiza é profeta.

    Profeta é um ofício, Cristo deu dons aos homens. Profeta é uma pessoa, que tem um dom ministerial.

     

                Profeta é um ofício estabelecido na igreja, ele é um oficial na mesma, ele tem um ministério.            No profeta operam: A palavra de Sabedoria, a palavra de Conhecimento ou Discernimento de espíritos. ( Esses são dons de revelação ) Em 1Corintios 14:29 - 30, Paulo está falando a respeito da revelação.

                Não devemos, portanto confundir o cargo de profeta, com a simples manifestação da profecia.

     

                O verdadeiro profeta não é aquele que prega, embora quando pregamos estamos profetizando, profeta é um vidente e as marcas são sobrenaturais. Ele precisa operar pelo menos em dois dons do Espírito, (dons de revelação)

     

                Muitos trechos bíblicos revelam, acima de qualquer dúvida, ser um profeta do novo testamento um Dom ministerial, distinto, portanto, do que pretendem alguns ser o Dom de profecia, atualmente. Os dons ministeriais foram dados à Igreja depois que Cristo subiu às alturas, que, certamente, assim como os dons espirituais, se manifestou depois da descida do Espírito Santo, no dia de Pentecoste.

               

                Assim, podemos ver com clareza, que o profeta representava um Dom ministerial de reconhecida autoridade perante a Igreja.

                A prova disto é encontrada em Atos 13:1-3. Aqui temos uma reunião, em que estava presente um grupo de profetas, por quem disse o Espírito Santo: separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. O texto em seguida nos dá clara idéia da autoridade ministerial que tinham. Então, orando e jejuando, e impondo sobre eles as  mãos, os despediram. Isto nunca teria acontecido se não se tratasse de pessoas de reconhecida autoridade ministerial, pois o que aconteceu é muito semelhante ao ocorrido, sob a presidência de Paulo e Barnabé em Atos 14:23.

     

                Desde então o ofício de profeta permanece, não para acrescentar algo à perfeita revelação das escrituras, mesmo porque a atuação do profeta do novo testamento e completamente diferente do profeta do antigo testamento.

    A sua função é edificar, consolar e exortar o corpo de Cristo mediante o inspirado e inspirador Dom de um ministério que interpreta e aplica essas Escrituras com nova luz, vida e poder, a cada geração e a cada circunstância, por uma renovada e imediata operação do Espírito Santo (Donald Gee).

     

                É certo que o Espírito Santo não erra e não falha. A falha ou o erro é de instrumento humano. Se, contudo, não houvesse a possibilidade de falhas ou erros na profecia, seria desnecessária a recomendação de I Co. 14:29.

    Precisamos tremendamente do ministério profético na Igreja em nossos dias, mas do modo real e tão proveitoso como descreve o novo testamento!

     

    3. Evangelista: Significa proclamador de boas-novas ou o que leva o Evangelho da salvação, aquele que anuncia o evangelho de Cristo. Trata-se de um carisma específico, que capacita o crente a disseminar, de forma extraordinária, as boas novas.

     

                Evangelista é um vocábulo encontrado apenas três vezes no Novo Testamento.   "...Filipe, o evangelista..." ( At. 21:8 );    "Ele mesmo concedeu uns para evangelistas..." (Ef. 4:11 );  "... Faze o trabalho de evangelista..." ( 2 Tm.4:5 ).

    Como vemos, a primeira referência é a um homem como evangelista, a Segunda, ao Dom de evangelista e a terceira, ao trabalho de evangelista - um homem, o Dom, o trabalho.

     

    Atos 8 Mostra um verdadeiro evangelista, Felipe, ele possuía este Dom. embora neste período designado para servir como diácono,  ( At. 6:5 ) sua verdadeira vocação era de evangelista e neste texto ele começa a exercer seu verdadeiro chamado.

    A verdadeira marca de um evangelista são os dons de curar e operações de milagres. Se estas marcas não estiverem presentes na vida do evangelista ele será apenas um exortador ou pregador. Atos. 8:4-8 Mostra as operações dos dons na vida do evangelista Felipe, para capacitá-lo. Será com sinais e prodígios que os gentios serão impactados e se converterão ao evangelho.  Em  At. 21:8 confirma que ele era um evangelista. O Apóstolo Paulo exortou a Timóteo: Faze o trabalho de evangelista, ( 2 Tm. 4:5 ).

     

    De maneira geral todos temos a obrigação de pregar o evangelho. Mas, entre os santos, alguns são chamados para fazê-lo de forma mais dinâmica  eficiente, ousada, movidos por Deus de uma forma especial. Enfim de forma milagrosa.  No evangelista a paixão pelas almas atinge o ápice e consumação na forma dum ministério que domina e absorve toda a vida, seu coração pulsa por almas, por vidas, a vocação divina o inspira e anima, o amor pelas almas o move, o Espírito Santo o constrange.

     Ele é capaz de exclamar como Paulo:  ...Sobre mim pesa a obrigação (...) e ai de mim se não pregar o evangelho

    ( I Co. 9:16 ) Ele não é pastor, ele ganha e o pastor cuida. ( At. 8:26 ).

    Unção para evangelizar (Lc. 4:18; At. 8:25; 8:40; Ef. 2:17; IPe. 2:25 ).

     

    Jesus Cristo foi o evangelista modelo. Felipe foi grande exemplo de imitação do mestre. Pode ser tomado como paradigma deste importante ministério.

    Jesus tanto pregava às multidões como a um indivíduo. Felipe desprendeu-se da grande popularidade que já desfrutava em Samaria; deixou as multidões maravilhadas e, na direção do Espírito Santo, foi ao encontro de um único homem a quem evangelizou com o mesmo interesse e grande resultado para o reino de Deus. Uma tradição informa que no quarto século do cristianismo ainda existia uma Igreja Cristã na Etiópia, como fruto do testemunho daquele homem, ganho para Cristo por Felipe, na estrada deserta.

     

    Devido à incorreta concepção do ministério de evangelista, vemos, às vezes, um evangelista ocupado com uma pequena Igreja, completamente fora de sua função, ou mesmo, sem qualquer evidência deste Dom ministerial. É evangelista simplesmente porque alguém o determinou ou porque lhe deram este nome. Isto nada tem a ver com o verdadeiro ministério de ; isto não tem nenhum fundamento bíblico. Nem se pode admitir que seja o meio correto de descobrir vocação para o ministério.

     

    O trabalho de evangelista exige coragem e estas virtudes o imunizam contra o medo. Tudo isto se encerra na exortação de Paulo: “Admoesto-te que reavivas o Dom de Deus” (Timóteo tinha este ministério com vemos nas declarações de Paulo ) . As virtudes aí expostas correspondem às boas condições espirituais do evangelista e, de algum modo, de todos os crentes.

    É certo que o poderoso Dom de evangelista não é comum a todos os crentes; no entanto, a responsabilidade de pregar o Evangelho a toda  criatura é comum a todos os salvos, a quantos amam a Deus e a sua obra.

     

    4. Pastor: De  todos os ofícios do ministério cristão, o pastorado é o mais conhecido em nossos dias. Não raro, o título é dado até mesmo aos ministros em diferentes funções ministeriais. A função é tão honrosa, que o antigo Testamento freqüentemente atribui a Deus o título de pastor de Israel ( Jr. 23:4; Sl. 23:1; Sl. 80:1 ).

     

    O vocábulo originalmente aplicado a um guardador de ovelhas significa apascentador, guia, protetor (Is. 40:11 ). Estas definições correspondem às varias fases das atribuições e deveres do pastor. Como no caso dos demais ministérios, encontramos em Jesus o grande exemplo de pastor.

     

    Jesus como exemplo do bom pastor

    1. O bom pastor dá a sua vida pelas suas ovelhas.

    2. Conhece as suas ovelhas

    3. Guia as suas ovelhas

    4. Pastor e bispo das nossas almas, (1Pe. 2:25). Significa o pastor que tem verdadeiro cuidado de nossas almas, que as busca, alimenta e sustenta; que amas as suas ovelhas e as protege "sem tosquenejar". Como bispo de nossas almas, Ele as supervisiona, dirigindo-as sábia e convenientemente. Guia-nos com segurança em toda a nossa peregrinação neste mundo de perigos espirituais.

     

    O cuidado que Cristo tem de nós, como Pastor e Bispo  de nossas almas, pode ser expresso nestas palavras: " instruir-te-ei e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir; e, sob as minhas vistas, te darei conselhos" ( Sl. 32:8 ).

     

    Como temos falado - os títulos às vezes correspondem aos dons ministeriais, e estes se revelam na pratica e na função dignas da aprovação de Deus. Os dons espirituais devem determinar o ministério e este evidenciá-lo pelo seu caráter eficiente e pelas qualidades virtuosas dos que os possuem.

    O pastorado eficiente é um Dom de Cristo. Não depende de curso especial, nem é produto de treinamento. Cristo o deu à sua Igreja (Ef. 4:11). Não pode ser substituído por nenhuma preparação intelectual. A instrução, a preparação através de uma escola teológica é importante e fundamental para o exercício do ministério pastoral, para aqueles quem receberam o chamado, não há duvida de que este, para ser proveitoso, para ser uma verdadeira benção para a Igreja, necessita   ser um Dom vindo do alto ( Tg. 1:17 ).

     

    Em João 21:15-17, no diálogo que Jesus manteve com Pedro, antes de sua restauração ao ofício pastoral, o mestre usou dois termos, que sugerem dupla função do pastor, que são:

    1. Apascentar. "Apascenta meus cordeiros... apascenta minhas ovelhas". O vocábulo significa “alimentar, dar de comer, sustentar, nutrir". A linguagem é figurada e traduz o dever de doutrinar ensinando a Palavra, ministrar conhecimento, dirigir no bom caminho;
    2. Pastorear, guardar: pastoreia as minhas ovelhas. O sentido de pastorear vai alem de apascentar, isto é, o dever de guiar o rebanho, e não somente alimentar, mas conduzir ao pasto, ou mesmo prover pastagem para o rebanho. Nos tempos de seca, o pastor precisa encontrar erva e água para alimentar o rebanho. Era isto um tipo do pastor de almas, que, pela graça de Deus, deve sobrepor-se às diferentes crises que tenha que enfrentar, em condições de sempre prover o rebanho do vital alimento, pela orientação sadia, pela mensagem ungida, pela palavra vivificadora, ...alimentando com as palavras da fé e da boa doutrina bíblica...  (ITm. 4:6 ).

     

    É dever também do pastor de ovelhas proteger do mau tempo e dos animais ferozes ( Amos 3:12; I Sm. 17:34,35; At 20:28 ).

    Além disto, o ofício pastoral incluía a obrigação de buscar e recuperar a ovelha fraca e a doente ou desviada ( Ez. 34:8; Lc. 15:7). Para tudo isto é necessário aquele amor que Jesus enfaticamente indagou haver em Pedro ( Jo.21:15-17 ).

     

    As qualidades do pastor

    Como parte dessas funções, o ministério pastoral abrange os seguintes encargos:

    1)     Doutrinar os irmãos, isto é, ensinar os irmãos a andar e viver segundo a Palavra de Deus.   (I Tm. 3:2 ).

    2)     Apascentar o rebanho de Deus com cuidado e amor 0 I Pe. 5:1-3 ).

    3)     Exercer vigilância espiritual sobre o mesmo, proteger ( At. 20:28 ).

    4)     Admoestar com longanimidade, com amo ( At. 20:31; 2 Tm. 4:2 ).

    5)     Cuidar dos necessitados (Gl. 2: 9,10 ).

    6)     Visitar os enfermos e ajudá-los com ministração e oração da fé (Tg.5:14,15)

    7)     Cumprir o papel de despenseiro dos mistérios de Deus ( I Co. 4:1,2 ).

     

    Assim como na vida do evangelista os dons de curar e operações de milagres estão presentes como sua credencial, o pastor também é aquele que opera nestas mesmas manifestações, e, além disso, ele tem governos operando através do seu ministério.  Governar, administrar.

    Apascentar, pastorear, governar/administrar cabe àquele que recebeu do Senhor o Dom para isso, o evangelista não tem estas qualificações, ele evangeliza na unção, e a pessoa se converte, agora é com o pastor.

     

    Um homem que governa a Igreja de Deus. Só o homem que governa bem a sua casa terá suficiente autoridade para governar a Igreja de Deus (I Tm.3:5 ).

    Entre os dons ministeriais, Paulo menciona "governos" ou habilitação de Deus para pastorear apropriadamente a sua Igreja ( I Co. 12:28 ). Esta habilidade para governar inclui:

     

    1º - Capacidade para distribuição de serviço aos membros da Igreja. Agostinho diz: A cabeça dos desocupados é a morada de Satanás e os demônios procuram mãos ociosas para fazer a sua maligna obra.

     

    2º - Capacidade para administração financeira. A habilidade do pastor para cuidar dos negócios da Igreja de modo proveitoso e honradamente inspira confiança nos membros para contribuir. Desperta o interesse de todos os fieis.

    Governar é uma capacidade que não se deve subestimar, pois dele depende a boa ordem, a estabilidade e o progresso da Igreja em todos os sentidos.

     

    É uma necessidade imperiosa no ministério do pastor, com a responsabilidade de governar a Igreja de Deus.

     

    O apóstolo Pedro ensina (I Pedro 5:2,3).

     

    Aqui temos três regras de grande importância:

    1ª - Não por constrangimento, mas espontaneamente, com o coração.

    2ª - Nem por sórdida ganância, mas de boa vontade

    3ª - Nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes tornando-vos modelo do rebanho. (Pode mais a força do exemplo do que o exemplo da força).

     

    A função do pastor é guiar, servindo de modelo para o rebanho, sabendo que toda a autoridade edificante provém da Palavra de Deus, que o pastor ensina e pratica.

     

    O pastor que observa estas normas nunca lutará só; terá sempre a mão divina a ajudá-lo na solução de todos os problemas na Igreja. Terá paz e estará tranqüilo, na esperança de que, logo que o sumo pastor se manifestar, receberá a imarcescível coroa de glória (I Pe. 5:2,4 )

     

     

    Isto significa que o pastor, tendo em vista sua responsabilidade como administrador do rebanho ou administrador da Igreja, tem de se destacar também como expositor da Palavra de Deus.

     

    5. Mestre: Não é aquele que estudou muito, se não operar na palavra de conhecimento, sabedoria, ele não é um mestre estabelecido pelo Espírito Santo. O mestre é aquele que tem uma capacitação sobrenatural, unção para esclarecer, expor e proclamar a palavra de Deus. A fim de edificar, fortalecer e levar o corpo de Cristo (igreja) a andar nas verdades reveladas na palavra.

     

    Pela Palavra de Deus e pela função do pastor compreendemos que o Dom ministerial do mestre, deve operar  na vida do pastor. E isto será de muita importância e não duvidamos de que seja mesmo a vontade de Deus que o pastor tenha, de fato, um coração de pastor e o Dom de ensinar com segurança as verdades divinas, numa autêntica revelação das profundezas de Deus. Entretanto, são dois dons distintos, com suas características definidas à luz do Novo Testamento.

     

    Que este Dom ministerial ocupa lugar específico e muito importante no Novo Testamento é provado pelo fato de ser ele mencionado em todas três listas de ministérios, apresentadas respectivamente em Romanos 12:6-8; I Co. 12:28; Ef. 4:11.

    Um mestre realmente dado por Cristo e ungido pelo Espírito Santo pode ser de inestimável benção para a Igreja, como fator contribuinte para o "aperfeiçoamento dos Santos para a obra do ministério e a edificação do corpo de Cristo".

     

    A Palavra de Deus, apresentada na sabedoria do Espírito Santo, promove o preparo para o serviço, pois "é útil para o ensino..., a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra" (2 Tm.3:16,17 ).

     

    Estes são ministérios dados pelo Senhor Jesus Cristo, para a edificação dos santos, para a realização da obra de Deus na terra, estes ministérios devem ser exercidos por aqueles que manifestarem chamados específicos.

     

    Se o chamado for pastoral receberá a unção pastoral, se for apostólica unção de Apóstolo, se for evangelista unção de evangelista, se for profeta unção de profeta se mestre unção de mestre.

     

    Obs. Não existe pastor evangelista, ou pastor mestre, ou pastor profeta, ou é um ou é outro.

     

    Por fim, oremos e supliquemos ao Deus eterno que ilumine os seu servos, àqueles que receberam um ministério, um chamado, que foi capacitado com os dons espirituais, que os inquiete a ponto de não se acomodarem em possuir meros títulos teológicos ou universitários. Esses têm o seu valor, no seu devido lugar, mas não substituem a provisão divina dos dons, sejam espirituais ou ministeriais. Que todos, com humildade e corações quebrantados, clamem ao céu, intercedam e busquem em Deus os recursos sobrenaturais dos dons, da unção e poder de Deus. Só assim poderemos cumprir a missão que nos foi confiada por Deus, pregar e ensinar o evangelho de Cristo, fazer discípulos. Só assim poderemos apresentar-nos aprovados por a Ele aprovados, como obreiros que não temos de que nos envergonhar, manejando bem a Palavra da verdade ( 2 Tm. 2:15 ). Só assim poderemos um dia ouvir do Senhor: "muito bem, servo bom e fiel, entra no gozo do teu Senhor" (Mt. 25:21).

    fonte: Igreja Apostólica Corpo de Cristo - Penha - São Paulo

    Pr. Eliezer Francisco Moreira 


    Classificação: 0.00 (0 votos) - Classifique esta notícia
    

    "Clique e compartilhe essa página com seus amigos"

     

    * Transmitindo vida...